terça-feira, 17 de novembro de 2015

Já estava cansada de tanto esperar decidi partir em viagem quem sabe, p'ra nunca mais voltar Esperei pelo vento larguei as amarras abri toda a vela esperei p'la aragem. Era favorável, todo o teu entorno. Prometias mundos e paraísos sem retorno, Não sufoquei o amor deixei-o planar abri-lhe as comportas e desatei a amar. sonhava algo belo saiu-me ao contrário tu foste o inferno e um salafrário, Voltei á praia deserta onde um dia tinha partido encontrei a alma certa que me sarou o peito dorido. Vivendo na salvação entrego-me dia a dia um amor de mão na mão e vai voltando a alegria. Deixei o barco à deriva afundou,não teve opção é o que acontece aos barcos que velejam sem capitão. Adelina Charneca

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Amar é de loucos perder a razão aos poucos sentir um tremor nos pés e de repente já nem sabes quem és tirar jackpot na roleta da vida apostar no cavalo certo sem medo e sem medida amar é de loucos é de perder a razão aos poucos. Adelina Charneca
Nasceste como uma Primavera anunciada, chegas com um sol de Março ou Abril, conto as horas ao minuto, e deixo que no meu coração mores, bem lá no fundo. Adelina Charneca